Fases

Para atingir objetivos, o projeto Women Can Build possui quatro fases de trabalho ligadas aos diferentes resultados, além das etapas transversais relacionadas com as tarefas de planeamento, gestão e sua disseminação.

Além disso, uma quinta tarefa fundamental para a execução deste projeto é a intervenção de várias partes interessadas: especialistas em igualdade de género, Associações de Empresas da Construção e Sindicatos e / ou Instituições Públicas, cuja participação e apoio garantem a implementação plena e efetiva de todas as atividades do projeto.

 

Cada fase do projeto está relacionada com um grupo-alvo, tentando englobar os diferentes atores envolvidos na criação de uma nova estrutura para favorecer a incorporação de mulheres no Setor da Construção. Para isso, são propostas soluções para as próprias mulheres, Formadores e Promotores Setoriais de Formação Profissional e Empresas do Setor da Construção.

Assim, as fases de intervenção em que o projeto será estruturado são as seguintes:

1. Formadores VET (Vocational education and training)

Formação de Formadores para o “desenvolvimento da competência em igualdade de género” através do MOOC – Massive Open Online Course e um Manual para Formadores e Conselheiros de Orientação Profissional para aplicação na sala de aula, oficina ou empresa.

O objetivo é permitir aos Formadores do Setor conhecer as barreiras existentes em termos de igualdade de género, conhecer soluções ou boas práticas e recursos existentes para os resolver e aprender a gerir conflitos.

Atividades da fase:

⇒ Trabalho de campo

  • 600 inquéritos a Formadores de Construção Civil identificando possíveis lacunas de género na sua forma de trabalhar;
  • 6 oficinas de género para a proposta de soluções.

⇒ Produção do MOOC e do Manual para Formadores e Tutores

  • Desenvolvimento de conteúdos do curso e do manual, estrutura, duração, avaliação, etc.

⇒ Lançamento do MOOC, teste piloto e validação

  • 90 formadores completam o curso.

2. Mulheres

Formação para mulheres “saber fazer”. Uma experiência imersiva de Formação de duas semanas em que os participantes constroem, em pequena escala, um edifício de consumo de energia quase nula – nZEB, para que possam realizar o máximo de atividades construtivas possíveis (construção de paredes, reboco, pintura, ladrilho, revestimentos, instalações, etc.). Proporcionará uma visão geral dos processos de construção para estimular as mulheres a descobrir sua especialização futura.

O objetivo é reduzir as persistentes restrições estruturais que as mulheres enfrentam e atrair o seu interesse para as atividades de Construção, ao mesmo tempo que aprimora as opções de emprego através de sua participação num curso sobre questões “sustentáveis” como um importante conjunto de empregos na Construção, com a finalidades de perspetiva de género. O curso destina-se a mulheres com dificuldades de acesso ao mercado de trabalho, desempregados de longa duração e jovens com menos de 30 anos.

Atividades da fase:

 ⇒ Desenvolvimento de cursos de Formação

  • Definição de objetivos, conteúdos, duração, tipo de avaliação, etc., no âmbito de uma perspetiva de género;
  • 6 oficinas de género para validar o desenvolvimento do curso.

⇒ Formação, avaliação e medidas de acompanhamento

  • 60 mulheres frequentam presencialmente o curso ministrado por um formador com certificação em “igualdade de género”;
  • 6 grupos de especialistas para a deteção de aspetos positivos e de melhoria;
  • Workshop de orientação profissional para os participantes.

⇒ Plataforma online para mulheres na Construção

  • Plataforma digital de apoio ao trabalho de equipa, com o objetivo de motivar e apoiar a integração das mulheres na Indústria da Construção. Possui uma secção de depoimentos e um blog para compartilhar experiências e informações de interesse para ultrapassar barreiras.

3. Promotores de Formação (VET)

Desenvolvimento de diretrizes para Instituições de Formação Profissional para uma “Formação de construção em sensibilidade de género”. O objetivo é criar uma metodologia educacional para os Centros de Formação do Setor, com o objetivo de alcançar uma consciencialização efetiva em igualdade, por meio de recomendações e ações. As mesmas vão desde a oferta de Formação e a sua reformulação e avaliação até à disponibilização de conteúdos e recursos didáticos adequados, com o objetivo de combater os estereótipos de género nos sistemas de Formação Profissional e facilitar a integração das mulheres.

Atividades da fase:

⇒ Trabalho de campo

  • 300 inquéritos ao pessoal dos Centros de Formação Profissional do Setor da Construção (Responsáveis pela Formação, Gestores, Conselheiros, etc.), para a identificação de lacunas de género tanto na dimensão interna (organizacional e de pessoal) como na externa (prestação de serviços).
  • 18 grupos focais com adolescentes em Centros de Formação Profissional (Construção ou outras áreas), auscultando os jovens, a fim de identificar as suas expectativas e crenças em relação ao Setor da Construção.

⇒ Análise e desenvolvimento do guião

  • Elaboração de uma análise de pontos fortes e fracos (SWOT) e avaliação sobre a abordagem de género nos Centros de Formação Profissional da Construção;
  • Definição de áreas de melhoria e propostas de solução, bem como o desenvolvimento de diretrizes para a equipa de Formação Profissional, para uma transformação institucional sensível ao género e uma metodologia de Formação que integre a perspetiva de género.

4. Empresas de contrução

Elaboração de um Plano de Ação para tratar da segregação horizontal e vertical de género na Indústria da Construção – onde o índice de feminização é 9,07% -, desencadeando o equilíbrio de género através da consciencialização e orientação para os parceiros económicos e sociais do Setor.

O objetivo é a criação de “competências de género na Indústria da Construção” e que as empresas possam obter orientação gratuita para a promoção do equilíbrio de género na sua gestão.

Atividades da fase:

Trabalho de campo:

  • 60 entrevistas com empresas de construção (pequenas, médias e grandes) para identificar lacunas de género, descobrir valores e normas existentes que perpetuam estereótipos e mecanismos que produzem desigualdade;
  • 120 entrevistas com mulheres que trabalham no Setor da Construção para detetar boas práticas de negócio e identificar na “primeira pessoa” as limitações encontradas pelas mulheres no trabalho de Construção, bem como fornecer modelos.

⇒ Identifição de soluções e criar um Plano de Ação para a Indústria da Construção para tomada de consciência de género.

  • Análise dos pontos fracos e fortes (SWOT) de boas práticas e principais limitações para o equilíbrio de género no Setor.
  • Desenvolvimento do dossier “Criação de competências de género nas Empresas de Construção”, que fornece informação e orientação às empresas para uma indústria equilibrada em termos de género:

√ Leis / requisitos nacionais relacionados com a igualdade de género nas organizações (políticas nacionais de igualdade, tendências da igualdade dentro das organizações).

√ Características da Formação na área da Construção e mercado de trabalho, em termos de género.

√ Metodologia pedagógica para ministrar Formação dentro da empresa a partir de uma perspetiva de género.

√ Programa de Formação de curta duração para uma receção adequada e integração das mulheres nas empresas de Construção (destinadas a tutores da empresa, colegas de trabalho, supervisores, etc.).

√ Formação de recursos de apoio (depoimentos de mulheres no Setor da Construção).

Menu