Oito especialistas em género, Formação e setor da Construção participam do primeiro grupo focal de Women Can Build

Oito especialistas em género, Formação e setor da Construção participam do primeiro grupo focal de Women Can Build

Oito mulheres, especialistas em género, em Formação e conhecedoras do setor da Construção, reuniram-se na sexta-feira, 18 de maio, no primeiro grupo de discussão organizado pelo projeto europeu Women can Build. Os participantes foram acompanhados por Javier González, chefe do Departamento de Projetos Internacionais da Fundación Laboral de la Construcción; e Beatriz Oliete e Esther Rodríguez, técnicos responsáveis ​​do projeto Women Can Build.

Um dos objetivos deste encontro de discussão, que ocorreu na sede da entidade conjunta, foi a identificação das barreiras do professor para ensinar uma aula inclusiva. De facto, os participantes realizaram uma dinâmica orientada pelos representantes do projeto, para contrastar e avaliar essa identificação, classificar as barreiras em categorias e fazer propostas de possíveis medidas para abordar cada obstáculo.

Anteriormente, a equipa do projecto apresentou a iniciativa europeia aos participantes, bem como o avanço do primeiro inquérito aos Formadores da Alemanha, Bélgica, Espanha, França, Itália e Portugal, que foi lançado no início de maio e os seus resultados serão publicados em breve.

Para incentivar o debate, baseou-se numa reflexão fundamental para o desenvolvimento do projeto, enfatizando que, para efetivamente incorporar a igualdade de gênero na Formação, o formador deve ser capaz de:

  • Identificar as desigualdades de género e as diferenças de género no seu campo de atividade;
  • Definir os objetivos da igualdade de género;
  • Considere o género ao planear e implementar políticas;
  • Monitorar o progresso;
  • Avaliar programas de perspetiva de género.

Em relação à identificação de barreiras, iniciaram-se com uma série de questões que levaram a uma reflexão conjunta posterior, muito enriquecedora, pois ficou claro que para enfrentar a inclusão na Formação, bem como nas demais áreas da vida, a educação e o “desaprendizado” cultural é necessário para reaprender. Um esforço árduo para todas as pessoas que estão dispostas a trabalhar pela igualdade, como Beatriz Oliete lembrou: “Desenvolver uma prática não-sexista e não-discriminatória implica antes de tudo trabalhar ‘para dentro’, isto é, reconhecer os próprios preconceitos e estereótipos e criticamente analisar as práticas de ensino em si. Este é talvez o ponto mais complexo, uma vez que envolve primeiro trazer uma mudança pessoal para ser capaz de trazer mudanças na escola de forma consistente”.

O grupo de discussão, em fotos

Artigo anterior
O projecto europeu “Women can Build” começa pela igualdade no EFP e pela inclusão das mulheres na indústria da Construção
Artigo seguinte
Reunião parisiense de mulheres pode construir: chaves e saídas para o projeto

Entradas relacionadas

Menu