Reunião parisiense de mulheres pode construir: chaves e saídas para o projeto

A segunda reunião de parceria do projeto “Women Can Build”, pertencente ao programa Erasmus+, decorreu em Paris de 5 a 6 de julho de 2018. Uma sessão valiosa e produtiva em que a igualdade de género no setor da Construção foi abordada.

A reunião foi direcionada em duas visões gerais principais. A primeira é sobre as três ações essenciais para promover a igualdade no local de trabalho da Construção: sensibilização, educação e disseminação. O segundo é sobre a transição para uma indústria igualitária, que precisa de ser apoiada por mudanças em todos os agentes envolvidos na inserção das mulheres no setor da Construção: centros de educação e Formação profissional e formadores, empresas e as próprias mulheres. Para este objetivo, o projeto desenvolve uma metodologia participativa projetada para planear e conduzir o processo de pesquisa com as pessoas envolvidas.

Durante a reunião, os parceiros enfrentaram a problemática do desequilíbrio de género que restringe as possibilidades de crescimento e competitividade na indústria da Construção. Os principais resultados das sessões de trabalho de dois dias foram:

A importância do papel do Formador

Os resultados do trabalho de campo referente à recolha de dados sobre questões de género nas práticas de Formação no setor da Construção foram apresentados pelos parceiros. A auto-análise e reflexão dos formadores de Formação profissional e educacional (VET) sobre os seus pontos fortes e fracos em relação à consideração de género mostram lacunas importantes. Com base nos resultados, os parceiros concluíram a proposta de conteúdos para o Curso Online Massive Open (MOOC) dirigido aos Formadores de EFP com competências de género, que será lançado no final de setembro.

Os parceiros do projeto concordaram em colocar o foco no desenvolvimento de competências de igualdade de género dos Formadores contribuirá para uma maior sensibilização de todos os perfis profissionais inscritos na Formação Profissional (trabalhadores de colarinho azul), maximizando assim o impacto em muitos futuros (IVET) e atuais (CVET) profissionais do setor num efeito cascata.

Experiência de Formação “imersiva” para mulheres

A indústria da Construção Civil não atrai um número significativo de mulheres para sua força de trabalho. Durante a sessão, os parceiros observaram a importância de implementar uma experiência de “aprender fazendo” para mostrar às mulheres a grande variedade de oportunidades dentro do setor. O principal objetivo desta atividade é atrair as mulheres para o setor, fornecendo uma visão geral dos processos de Construção e as diferentes possibilidades que a indústria da Construção tem.

Na reunião, um esboço da experiência de Formação “imersiva” foi acordado pelos parceiros: definição de objetivos, conteúdo, duração, método de Formação, etc.

Os resultados dessa experiência serão mostrados no próximo ano.

Beatriz Oliete e Javier González durante a reunião
Necessidade de promover a igualdade nos centros de Formação

Para uma implementação real da igualdade de género no EFP, é necessário ajustar os mecanismos internos e externos das instituições de EFP, que se refletem na sua missão, visão e valores, também a serem seguidos pelos formadores, formandos e todo o seu pessoal.

O trabalho mais difícil é colocar esses princípios de design em prática com pessoas reais nos ambientes dinâmicos e complexos dos centros de Formação. Durante o debate, os parceiros realizaram algumas ações coletivas que devem ser implementadas dentro dessas organizações de Construção, algumas das quais foram: plano de igualdade de oportunidades ou orientação de comportamento e assédio sexual. Do ponto de vista externo foram propostos: cursos de igualdade de género, orientação de trabalho das mulheres, etc.

Aliança com as empresas

Um passo final, mas decisivo, para um equilíbrio de género no setor passa pela consciencialização e atração de empresas e da indústria em geral. Na reunião, destacou-se a necessidade de unir forças com empresas para combater a desigualdade de género no setor, estabelecendo uma forte união com todas as partes interessadas da indústria da Construção e trabalhando juntas no projeto do Plano de Ação para empreendimentos de Construção para consciencialização de género e a promoção do equilíbrio de género nas suas organizações.

O segundo encontro de WOMen Can Build encerrado com um bom sentimento: trabalho contínuo para criar um melhor local de trabalho, com igualdade de oportunidades e comprometida com o profissionalismo e igualdade de género.

Artigo anterior
Oito especialistas em género, Formação e setor da Construção participam do primeiro grupo focal de Women Can Build
Artigo seguinte
Novo relatório europeu sobre os telhados de vidro: as mulheres na gestão

Entradas relacionadas

Menu